O diretor de escola ultrapassa barreiras e vence grandes desafios

 

Salve, Diretores de Escola, esses geniais guardiões de muitos valores

“ Então disse a anciã curandeira da alma:

Não doem as costas, doem as cargas.

Não doem os olhos, dói a injustiça.

Não dói a cabeça, doem os pensamentos.

Não dói a garganta, dói o que não se expressa ou se exprime com raiva.

Não dói o estômago, dói o que a alma não digere.

Não dói o fígado, dói a raiva contida.

Não dói o coração, dói o amor.

É precisamente ele, o amor mesmo, quem contém o mais poderoso remédio.”

Constantemente desafiado, é com o mais nobre de todos os sentimentos e com ilimitada dedicação que o diretor de escola ultrapassa barreiras e vence grandes desafios para que crianças e jovens possam transformar o Brasil numa nação mais próspera e igualitária.

CPP

Anúncios

Sorocaba, com aumentos, botijão de gás passa de R$ 70

O preço do botijão de gás de cozinha (GLP) chegou aos R$ 70 em revendedoras de Sorocaba, para retirar no local. Para entrega, o valor chaga a R$ 73. Após o aumento anunciado pela Petrobras na semana passada, de 12,9% para as distribuidoras em média, os consumidores já estão sentindo no bolso um aumento entre R$ 3 a R$ 5. O botijão de 13 quilos já acumula alta de 47,6% desde que a estatal iniciou a nova política de preços do combustível, no dia 7 de junho.

Em Sorocaba, quem utiliza gás de botijão para cozinhar reclama da alta constante no preço. A justificativa da Petrobras é que o percentual de reajuste reflete a variação das cotações do produto no mercado internacional. Desde junho, a Petrobras já reajustou o gás de cozinha cinco vezes. O aumento anterior autorizado pela empresa ocorreu no fim de setembro.

Em uma revendedora da avenida Nogueira Padilha, na zona leste de Sorocaba, o preço do botijão de gás é vendido desde sexta-feira da semana passada a R$ 69 (entrega) e R$ 65 para retirar no local. Antes do aumento, os preços praticados eram, respectivamente, R$ 67,90 e R$ 61,90.

A auxiliar administrativa responsável pela unidade, Olinda Vidal de Andrade, disse que as vendas do botijão de gás de cozinha caíram por causa dos seguidos aumentos. “Infelizmente o revendedor não tem como segurar os reajustes e para o consumidor o aumento que é repassado é menor. As pessoas reclamam e por conta dos preços as vendas caíram”, disse. No local, são vendidos apenas produtos da marca Ultragaz.

Em outra revendedora na avenida Santos Dumont, na zona norte de Sorocaba, os preços foram reajustados ontem e ficaram cerca de R$ 3 mais caros. O preço do botijão de gás passou de R$ 70 para R$ 73 (entrega) e de R$ 67 para R$ 70 (retirar).

Já em uma revendedora de marca Consigaz, no Parque Vitória Régia, também na zona norte, apesar do aumento, os preços ainda são menores do que os praticados em outras regiões de Sorocaba. O produto passou de R$ 58 para R$ 63 (entrega) e de R$ 53 para R$ 58 (retirar), o que representa um aumento de R$ 5 no preço do botijão de 13 quilos.

A Petrobras, contudo, afirma que se o aumento for integralmente repassado ao consumidor, o preço do botijão pode ser reajustado, em média, em 5,1% ou cerca de R$ 3,09, isso se forem mantidas as margens de distribuição e de revenda e as alíquotas de impostos. “Como a lei brasileira garante liberdade de preços no mercado de combustíveis e derivados, as revisões feitas nas refinarias podem ou não se refletir no preço final ao consumidor. Isso dependerá de repasses feitos especialmente por distribuidoras e revendedores”, disse a empresa por meio de nota.

Segundo uma pesquisa feita pela Agência Nacional de Petróleo (ANP) em 30 revendedoras de Sorocaba nos meses de agosto e setembro, o preço médio do botijão de gás de cozinha passou de R$ 55,43 para R$ 55,93 de um mês para outro. Já o valor mínimo ficou em R$ 49,90 em agosto e subiu para R$ 50 em setembro. No mesmo período, o preço máximo não sofreu variação e se manteve em R$ 62 na cidade. Na pesquisa realizada de 8 a 14 de outubro, os preços ficaram os mesmos que em setembro.

Jornal Cruzeiro do Sul

F1 GP do Japão, Lewis Hamilton vence em Suzuka

O pódio do GP do Japão de 2017 (Foto: Getty Images)

Uma vela de aproximadamente R$ 160,00. Em meio a um carro de milhões de dólares, essa pode ter sido a peça que ajudou a decidir o campeonato de 2017 da Fórmula 1. Neste domingo, em Suzuka, Sebastian Vettel sequer teve chance de ameaçar a liderança de Lewis Hamilton, e logo nas primeiras voltas abandonou com problema em uma das velas do motor da Ferrari. O inglês, porém, não tinha nada com isso, contou com o apoio do fiel escudeiro Valtteri Bottas para segurar Max Verstappen, e vencer o GP do Japão, 61º triunfo na carreira, oitavo na temporada. Com mais 25 pontos na conta, o piloto da Mercedes #44 ampliou a liderança no campeonato para 59 pontos contra Vettel e pavimentou ainda mais o caminho para o quarto título mundial.

Com Vettel fora, Hamilton segura Max para vencer em Suzuka e ampliar a liderança

Para ser campeão já nos EUA, Hamilton precisa vencer e torcer para que Sebastian Vettel termine em 6º ou em uma colocação pior. Caso isso não aconteça, mas o britânico vença em Austin e no México, ele se consagra campeão independentemente do resultado do rival alemão.

Assista aos melhores momentos do GP do Japão  A Rede Globo TV

Resultado final - corrida - GP do Japão (Foto: Reprodução/Twitter)

GloboEsporte F1

Sorocaba, Crespo volta a ser prefeito da cidade após Justiça suspender decreto da Câmara

Tribunal de Justiça de São Paulo suspendeu nesta quinta-feira (05/10/17) o decreto da sessão extraordinária da Câmara dos Vereadores que cassou o mandato de José Crespo (DEM) como prefeito de Sorocaba SP, no dia 24 de agosto. Com a liminar, Crespo volta a ser prefeito e Jaqueline Coutinho (PTB), vice. Ainda cabe recurso.

Após liminar do TJ, Crespo deve voltar à prefeitura de Sorocaba nesta sexta-feira (Foto: TV TEM/Reprodução)

De acordo com o advogado de Crespo, Ricardo Vita Porto, a Justiça reconheceu que houve manobras ilegais para atingir o número de votos mínimo para a cassação.

Na liminar, a desembargadora Heloísa Martins Mimessi, da 5ª Câmara de Direito Público e relatora do caso, afirma que houve “violação ao preceito insculpido na súmula vinculante 46”, que trata sobre “os crimes de responsabilidade e o estabelecimento das respectivas normas de processo e julgamento são da competência legislativa privativa da União”.

Citando uma decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Edson Fachim, a defesa de Crespo argumento que a Câmara de Vereadores não tem competência para regular normas sobre infração política-administrativa.

No recurso apresentado ao TJ, a defesa de Crespo argumentou que o vereador Anselmo Neto (PSDB) foi impedido de votar por meio de uma manobra política, sendo substituído no ato por JP Miranda (PSDB). A mudança garantiu o número de votos necessário para a cassação.

Com a decisão do TJ, Crespo deve retornar imediatamente ao cargo de prefeito de Sorocaba, o que deve acontecer nesta sexta (6) de manhã, segundo Vita Porto.

“Não há sombra de dúvidas de que houve manobra política e agora o judiciário reconhece isso”, afirma o advogado.

Por meio de seus assessores, Crespo disse que vai se pronunciar apenas na nesta sexta. Segundo a assessoria, ele recebeu a notícia no início da noite e vai ler com calma a liminar para entendê-la e falar sobre o assunto.

Reuniões

Desde a sessão extraordinária que terminou com o resultado histórico, em 24 de agosto, a então vice-prefeita, Jaqueline Coutinho, ocupa o cargo de chefe do Executivo.

Em entrevista coletiva, Jaqueline disse que volta ao cargo de vice-prefeita com a sensação de dever cumprido, ressaltando que ainda não foi informada oficialmente sobre a decisão do TJ-SP.

O presidente da Câmara, Rodrigo Manga (DEM), informou que vai cumprir a decisão e que o departamento jurídico está reunido para ver quais medidas serão tomadas.

Além de recorrer junto ao TJ-SP, a defesa de Crespo também entrou com recurso no Supremo Tribunal Federal, em Brasília, para suspender a sessão que cassou o seu mandato, em 24 de agosto.

O processo no STF vai ser analisado pela ministra Rosa Weber. Ainda não há data para a ministra julgar o recurso de Crespo.

Prefeita por 43 dias

Ao ser empossada como prefeita de Sorocaba, minutos depois da sessão extraordinária na Câmara, Jaqueline falou sobre a expectativa de estar à frente do Executivo. “Foi muito importante esse movimento histórico pela democracia. Prometo exercer com dedicação e lealdade o meu mandato, respeitando a lei e promovendo o bem geral do município.”

No dia seguinte à sessão, Jaqueline foi recebida sob aplausos no Paço Municipal. A ex-delegada de Polícia Civil, de 50 anos, foi a primeira mulher a assumir a Prefeitura de Sorocaba. O mandato dela durou 43 dias.

Durante esse tempo, Jaqueline montou seu quadro de secretários, incluindo dois ex-candidatos à prefeitura em 2016: João Leandro (PSDB) e Glauber Piva (PT), nas secretarias de Governo e Cultura, respectivamente.

G1 Sorocaba