NASA, a Sonda Juno chega hoje ao Planeta Júpiter

A sonda Juno, da agência espacial norte-americana Nasa, chega hoje (04/07/2016) ao planeta Júpiter, conforme divulgado pelo órgão. Esta é a primeira vez que um artefato desse tipo entra na órbita do planeta. A viagem da sonda, movida por energia solar, até Júpiter durou quase cinco anos.

Sonda Juno

Segundo a Nasa, Juno deve desacelerar para uma velocidade de 542 metros por segundo no intuito de ser capturada pela órbita do planeta. Uma vez na órbita de Júpiter, a sonda dará 37 voltas ao redor do planeta num período estimado em 20 meses, percorrendo cerca de 5 mil quilômetros.

Juno chega em Júpiter

“Esta é a primeira nave a orbitar os polos de Júpiter, fornecendo novas respostas para mistérios em curso relacionados ao núcleo do planeta, composição e campos magnéticos”, destacou a Nasa em comunicado.

Imagem da aurora de Júpiter foi capturada pelo telescópio Hubble. Foto: Nasa/Divulgação

Nasa divulgou imagens deslumbrantes de auroras em Júpiter. O fenômeno acontece quando partículas de energia entram na atmosfera do planeta e se chocam com gases. A aurora de Júpiter era conhecida desde a década de 1970, mas esta foi a primeira vez que o telescópio Hubble capturou imagens tão precisas.

Júpiter tem uma longa tradição de ajudar a humanidade a compreender o céu à sua volta. Em 1610, quando Galileu Galilei fez as primeiras observações conhecidas das quatro maiores luas de Júpiter (Io, Europa, Ganimedes e Calisto), as suas descrições deram força à teoria heliocêntrica que Nicolau Copérnico tinha proposto 67 anos antes. Os quatro satélites naturais eram a prova de que nem todos os corpos celestes giravam em torno da Terra, como o geocentrismo defendia. Júpiter podia ser visto como uma espécie de reflexo do sistema solar: tal como as luas giram à volta do planeta por causa da gravidade, também os planetas viajam em torno do Sol.

Mais recentemente, em 1994, vários telescópios registaram em tempo real a queda de 21 pedaços do cometa Shoemaker-Levy 9 na superfície de Júpiter, alguns com dois quilômetros de diâmetro. O fenômeno tirou as últimas ilusões sobre a possibilidade de um enorme corpo extraterrestre embater na Terra, como terá acontecido há 65 milhões de anos, no cataclismo que ajudou a pôr termo à era dos dinossauros. Se aqueles corpos colidiram contra Júpiter, como negar que outros grandes objetos poderão estar um dia em rota de colisão com a Terra?

Nesta segunda-feira, quando a sonda Juno for capturada pela gravidade de Júpiter, a NASA vai dar continuação a esta tradição de se usar aquele gigante como um enorme espelho, onde se encontram refletidas algumas características do sistema solar e da sua história. Ao contrário da Terra, a massa de Júpiter permitiu reter a sua composição original, quando o planeta se formou. Por isso, ao analisar a composição da atmosfera de Júpiter, a NASA espera que a sonda dê informações sobre o início do sistema solar e sobre como os planetas se formaram.

Belíssima ilustração do campo magnético de Júpiter.

Belíssima ilustração do campo magnético de Júpiter.

 

Deste modo, Juno permitirá olhar lá para fora para compreendermos o nosso mundo, o nosso passado. Antes disso, contudo, terá de sobreviver ao momento vertiginoso de ser agarrada pela gravidade de Júpiter, o instante mais perigoso da missão, segundo dizem os cientistas da NASA. Se correr mal, esse momento poderá fazer perder cinco anos de viagem espacial, 990 milhões de euros do custo da missão e, claro, tudo o que poderíamos aprender com Júpiter. Mas hoje ainda não é a altura exata de suster a respiração.

“Demos por encerrado cinco anos de uma viagem espacial e temos apenas dez dias pela frente até à inserção na órbita de Júpiter”, dizia na semana passada Rick Nybakken, um dos responsáveis pela missão da Juno no Laboratório de Propulsão a Jato da NASA, que fica em Pasadena, na Califórnia. As palavras antecipavam o nervosismo crescente com a aproximação do 4 de Julho – o Dia da Independência dos Estados Unidos, que este ano terá um sabor especial para os norte-americanos com a chegada da sonda ao planeta. “É uma grande sensação pôr todo o espaço interplanetário no espelho retrovisor e ter o maior planeta do sistema solar no nosso para-brisa.”

Como fabricar planetas

Dizer que Júpiter é o maior planeta do sistema solar não chega para compreender a sua dimensão. Júpiter é enorme: é três vezes maior do que Saturno, tem 11 vezes o diâmetro da Terra (12.756 quilómetros) e 122 vezes a sua área superficial. Só a Grande Mancha Vermelha, uma tempestade atmosférica épica de cores vermelhas que existe no Hemisfério Sul, bem visível nas fotografias do telescópio espacial Hubble e que os astrônomos monitorizam pelo menos desde o século 19, tem agora cerca de 16 mil quilômetros de diâmetro. A Terra caberia lá dentro, sem problemas.

A massa de Júpiter é superior à massa de todos os outros corpos do sistema solar, excluindo o Sol. À noite, o seu brilho só é ultrapassado por Vênus, pela Lua e, às vezes, por Marte.

Apesar de os telescópios terrestres terem permitido aos astrônomos conhecer as cores do planeta, foram as fotografias da sonda da NASA Pioneer 10 – a primeira que atravessou a cintura de asteróides, situada entre Marte e Júpiter, e fotografou de perto o gigante a 4 de Dezembro de 1973 – que permitiram olhar com mais proximidade para a atmosfera jupiteriana. As icônicas faixas brancas e castanho-claras, que hoje associamos imediatamente ao gigante, revelam nuvens de várias composições químicas que estão a diferentes altitudes. Os cientistas pensam que as brancas, por exemplo, são formadas por cristais de amônia, e estão a uma temperatura de 150 graus Celsius negativos.

A misteriosa e gigantesca mancha que existe na superfície de Júpiter. Trata-se de uma tespestade e seu diâmetro é maior que o da Terra.

A misteriosa e gigantesca mancha que existe na superfície de Júpiter. Trata-se de uma tespestade e seu diâmetro é maior que o da Terra.

Júpiter é o primeiro dos planetas gasosos do sistema solar, e é composto maioritariamente por hidrogênio e hélio, tal como as estrelas. Por isso, a sua densidade é muito menor do que a dos planetas rochosos, como a Terra, Vênus e Marte.

“Um dos objetivos principais da Juno é aprender qual a receita para se fazer um sistema solar”, diz Scott Bolton, o investigador principal da missão, no Instituto de Investigação do Sudoeste, em San Antonio, Texas, citado pelo jornal norte-americano The New York Times. “Como é que se faz um sistema solar? Como é que se fabricam os planetas que temos no nosso sistema solar?”, questiona.

Preparação da sonda Juno nos laboratórios da NASA.

Preparação da sonda Juno nos laboratórios da NASA.

Há elementos mais pesados em Júpiter, como o lítio, o carbono e o azoto. Apesar destes elementos estarem em quantidades pequenas quando comparados com o hidrogênio e o hélio, a sua proporção é muito maior do que a proporção destes elementos no Sol, explica o cientista. Compreender esta variação pode ser a chave para compreender o sistema solar. “Não sabemos exatamente como é que isto aconteceu. Mas sabemos que este fato é realmente importante. E a razão para isto ser importante é porque os elementos que existem a mais em Júpiter (em relação ao Sol) são os mesmos elementos que compõem aquilo de que nós somos feitos. É destes elementos que a Terra é feita. É daqui que a vida surge.”

O interior de Júpiter é outro mistério. Devido ao seu tamanho e à pressão, estima-se que haja um enorme oceano líquido de hidrogénio no interior do planeta capaz de conduzir a electricidade e criar um enorme campo magnético à sua volta. E ninguém sabe qual é a constituição do núcleo do planeta, ou se ele existe mesmo. Um dos objetivos dos cientistas da NASA é determinar a existência e a composição do núcleo. Essa informação permitirá identificar a teoria certa sobre o nascimento de Júpiter: se foi formado a partir de uma parte instável da nuvem de poeiras e gases do nosso sistema solar, que entrou em colapso; ou se houve primeiro a formação de um núcleo planetário maciço que, depois, atraiu todo o gás que estava à volta.

Um ano de ciência

Depois da Pioneer 10, Júpiter foi visitado pela Pioneer 11, em 1974, pelas duas sondas Voyager, em 1979, a sonda Ulisses, em 1992, a sonda Galileu, que chegou ao planeta em 1995 e até 2003 estudou o gigante e as suas luas, a Cassini-Huygens, em 2000, e, mais recentemente, a New Horizons, que fez um voo de três meses junto de Júpiter, em 2007, antes de seguir para Plutão. Por isso, depois da Galileu, Juno é o segundo aparelho exclusivamente destinado a perscrutar este gigante.

A sonda partiu da Terra a 5 de Junho de 2011, fez um movimento circular que ultrapassou a órbita de Marte, voltou até à Terra e aproveitou o impulso dado pela sua gravidade para finalmente viajar até Júpiter, percorrendo nestes quatro anos e 11 meses 2800 milhões de quilômetros. Hoje, segunda-feira 4 de julho, a sonda será capturada pela gravidade de Júpiter e, fazendo um ajuste à rota, irá lançar-se para realizar algumas órbitas até iniciar, a 9 de Novembro, 33 órbitas científicas cuja trajetória foi traçada para evitar a potente magnetosfera de Júpiter, 20 mil vezes mais forte do que a da Terra.

Além de provocar nos polos de Júpiter as maiores auroras boreais do sistema solar, a magnetosfera carrega as partículas existentes à volta do planeta, sendo assim capazes de destruir os componentes elétricos da sonda. Para evitar estes danos, os cientistas puseram os circuitos da Juno dentro de um cofre de titânio de 1,7 centímetros de espessura, impedindo muitas partículas de atingirem o equipamento. Mas o cofre não basta.

 

Há 3 dias, o Telescópio espacial Hubble captou esta esplêndida aurora boreal que surgiu na região do polo norte de Júpiter. O diâmetro da aurora é quase equivalente ao da Terra.

Júpiter 04 07 2016

“Para muitos dos instrumentos fazerem o seu trabalho, a nave tem de se aproximar mais de Júpiter do que nas missões anteriores. Para evitar os níveis de radiação mais fortes que existem à volta de Júpiter, os responsáveis pela missão projetaram órbitas muito alongadas para a sonda se aproximar do gigante de gás pelo Norte”, lê-se num documento da NASA sobre a missão. Nesses trajetos, a sonda irá ficar muito perto de Júpiter, a uma distância mínima de 4200 quilômetros. Depois, circulará junto ao planeta de Norte para Sul e em seguida afastar-se-á iniciando mais uma órbita alongada para evitar ao máximo a radiação.

Cada uma das 33 órbitas demorará 11 dias. Durante esse tempo, os nove instrumentos da Juno estarão de olhos abertos. A sonda tem uma câmara a cores para uso do público em geral, que poderá escolher que partes do planeta a fotografar, e mais oito instrumentos científicos. Entre os quais, estão dois transmissores que vão trocar sinais com a Terra, para analisar a influência gravitacional de Júpiter, e inferir a sua estrutura interna; um magnetômetro para criar um mapa tridimensional da magnetosfera do planeta; um radiômetro que vai analisar microondas emitidas pelo gigante para detectar a composição das nuvens de Júpiter; e um detector de partículas para analisar como é que elas interagem com a magnetosfera de Júpiter.

Aproximação final de Juno a Júpiter
Depois de cinco anos que viajam através do espaço para o seu destino, a sonda Juno da NASA vai chegar em órbita em torno de Júpiter, hoje, 4 de julho de 2016. Este vídeo mostra um auge do que a nave espacial viu como fechada em seu destino antes de instrumentos foram desligados . Veja  o  nosso meio-dia  EDT  Pré-da inserção da órbita Briefing on NASA Television  https://www.nasa.gov/nasatv ou http://youtube.com/nasajpl/live

Atualizado em 05 de Julho de 2016 :

Engenheiros da Nasa comemoram sucesso de missão da sonda Juno

Após vários minutos de apreensão, pesquisadores em centro de controle na Califórnia explodiram em alegria (Foto: BBC)

‘Juno, bem-vindo a Júpiter’, gritavam os cientistas : veja aqui

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s