Arquivo da categoria: Cidades

Sorocaba, com aumentos, botijão de gás passa de R$ 70

O preço do botijão de gás de cozinha (GLP) chegou aos R$ 70 em revendedoras de Sorocaba, para retirar no local. Para entrega, o valor chaga a R$ 73. Após o aumento anunciado pela Petrobras na semana passada, de 12,9% para as distribuidoras em média, os consumidores já estão sentindo no bolso um aumento entre R$ 3 a R$ 5. O botijão de 13 quilos já acumula alta de 47,6% desde que a estatal iniciou a nova política de preços do combustível, no dia 7 de junho.

Em Sorocaba, quem utiliza gás de botijão para cozinhar reclama da alta constante no preço. A justificativa da Petrobras é que o percentual de reajuste reflete a variação das cotações do produto no mercado internacional. Desde junho, a Petrobras já reajustou o gás de cozinha cinco vezes. O aumento anterior autorizado pela empresa ocorreu no fim de setembro.

Em uma revendedora da avenida Nogueira Padilha, na zona leste de Sorocaba, o preço do botijão de gás é vendido desde sexta-feira da semana passada a R$ 69 (entrega) e R$ 65 para retirar no local. Antes do aumento, os preços praticados eram, respectivamente, R$ 67,90 e R$ 61,90.

A auxiliar administrativa responsável pela unidade, Olinda Vidal de Andrade, disse que as vendas do botijão de gás de cozinha caíram por causa dos seguidos aumentos. “Infelizmente o revendedor não tem como segurar os reajustes e para o consumidor o aumento que é repassado é menor. As pessoas reclamam e por conta dos preços as vendas caíram”, disse. No local, são vendidos apenas produtos da marca Ultragaz.

Em outra revendedora na avenida Santos Dumont, na zona norte de Sorocaba, os preços foram reajustados ontem e ficaram cerca de R$ 3 mais caros. O preço do botijão de gás passou de R$ 70 para R$ 73 (entrega) e de R$ 67 para R$ 70 (retirar).

Já em uma revendedora de marca Consigaz, no Parque Vitória Régia, também na zona norte, apesar do aumento, os preços ainda são menores do que os praticados em outras regiões de Sorocaba. O produto passou de R$ 58 para R$ 63 (entrega) e de R$ 53 para R$ 58 (retirar), o que representa um aumento de R$ 5 no preço do botijão de 13 quilos.

A Petrobras, contudo, afirma que se o aumento for integralmente repassado ao consumidor, o preço do botijão pode ser reajustado, em média, em 5,1% ou cerca de R$ 3,09, isso se forem mantidas as margens de distribuição e de revenda e as alíquotas de impostos. “Como a lei brasileira garante liberdade de preços no mercado de combustíveis e derivados, as revisões feitas nas refinarias podem ou não se refletir no preço final ao consumidor. Isso dependerá de repasses feitos especialmente por distribuidoras e revendedores”, disse a empresa por meio de nota.

Segundo uma pesquisa feita pela Agência Nacional de Petróleo (ANP) em 30 revendedoras de Sorocaba nos meses de agosto e setembro, o preço médio do botijão de gás de cozinha passou de R$ 55,43 para R$ 55,93 de um mês para outro. Já o valor mínimo ficou em R$ 49,90 em agosto e subiu para R$ 50 em setembro. No mesmo período, o preço máximo não sofreu variação e se manteve em R$ 62 na cidade. Na pesquisa realizada de 8 a 14 de outubro, os preços ficaram os mesmos que em setembro.

Jornal Cruzeiro do Sul

Anúncios

Sorocaba, Prefeitura devolve a Santa Casa para gestão da Irmandade

A Prefeitura de Sorocaba devolveu a Santa Casa à Irmandade, que agora passa ter total direito à gestão plena. A devolução foi anunciada na sexta-feira (15/9/17) à tarde, durante coletiva de imprensa no gabinete da prefeita Jaqueline Coutinho (PTB), que revogou o decreto de 24 de abril do prefeito cassado José Crespo (DEM). Além da imprensa, participaram da reunião os integrantes da Igreja Católica, que desde julho é a entidade mantenedora do hospital, secretários municipais, vereadores e representantes do Conselho Municipal de Saúde e do hospital. Na ocasião, também foi anunciado o pagamento parcial do débito da Prefeitura com a Santa Casa, pelo período em que o hospital esteve sob requisição municipal. Entretanto, apesar da devolução, a Prefeitura irá fiscalizar a administração hospitalar.

A devolução foi assinada pela prefeita, que revogou o decreto nº 22.772. Mesmo com a devolução, os leitos continuarão como 100% SUS, o que significa que os pacientes continuarão a receber atendimento gratuito.

O secretário municipal de Saúde, Ademir Watanabe, entende que com a devolução do hospital, a Irmandade terá maior celeridade na aquisição de insumos, sendo que pelo Poder Público os processos são muito mais burocráticos. Ele também frisou que a devolução aconteceu no momento em que o Executivo conta com total confiança na atual diretoria da Irmandade: “sentimos confiança com a nova diretoria que está assumindo a Irmandade e por isso resolvemos que já era possível efetuar a devolução”, disse o titular da pasta da Saúde. O moderador da Santa Casa é o arcebispo metropolitano dom Julio Endi Akamine e o diretor-presidente é o padre Flávio Jorge Miguel Júnior, do santuário São Judas Tadeu.

Pagamento de R$ 400 mil

Na coletiva, foi anunciado o pagamento ao hospital de R$ 400 mil, em duas parcelas, por parte da Secretaria Municipal da Fazenda. A primeira parcela foi quitada ontem, e o restante deve ser repassado até o final do mês. Esse valor se refere a débitos de novembro e dezembro de 2016, e também de 2017, dos períodos em que o hospital estava sob requisição municipal. O montante total desse débito é R$ 2 milhões, que deve ser diluído em pagamentos nos próximos seis meses.

O secretário divulgou ainda o repasse mensal de R$ 6,9 milhões para a manutenção da Santa Casa, cujo valor é proveniente do convênio existente entre a Secretaria de Saúde do Estado com a Prefeitura, sendo composto também por recursos do Ministério da Saúde.

Padre Flávio destacou que a preocupação da Irmandade é com o povo de Sorocaba. “Não temos e não fazemos parte de nenhum tipo de esquema. Nossa preocupação é unicamente com o nosso povo, com os pacientes que precisam de atenção e de cuidados. Nossa diretoria é altamente qualificada para enfrentar o desafio que estamos assumindo”, disse ele, acrescentando também que “a Santa Casa é patrimônio do povo”.

Ainda segundo o religioso, dos 258 antigos membros da entidade, apenas 22 se recadastraram, chegando hoje ao total de 120. O Conselho de Administração é composto por nove pessoas, sendo cinco clérigos e o restante integrantes da sociedade civil, e de acordo com ele, de total credibilidade.

No decorrer da coletiva, a prefeita se emocionou ao lembrar da passagem bíblica e pediu para que “todos nós, independentes de ideologia e credo, possamos ver em cada paciente da Santa Casa, uma mãe e um filho”.

Mutirões

O secretário municipal de Saúde, Ademir Watanabe elencou ontem, durante coletiva de imprensa sobre a Santa Casa, alguns dados positivos do período de requisição por parte da Prefeitura. Umas das melhorias citadas por ele foram a do serviço de limpeza e a abertura de 22 leitos para a enfermaria.

Outra importante conquista desse período, conforme destacou, é a realização do mutirão de 810 cirurgias. Sorocaba aderiu à estratégia de ampliação dos procedimentos cirúrgicos eletivos lançada pelo Ministério da Saúde e está sediando um mutirão de cirurgias. Ao todo, serão realizados 810 procedimentos de vesícula, retirada de útero e hérnia. Os atendimentos estão ocorrendo na Santa Casa de Sorocaba, com capacidade de 135 cirurgias mensais e prazo de seis meses para conclusão, até dezembro.

O mutirão está atendendo pacientes da cidade e da região, conforme regulação do Estado, por meio do Departamento Regional de Saúde (DRS-16). A distribuição das vagas é proporcional à população e a expectativa é de que até 25% dos atendimentos sejam para sorocabanos. Os recursos federais são destinados a Sorocaba, por meio do Fundo Municipal de Saúde para custeio dos procedimentos. O agendamento das cirurgias será feito além da rotina cirúrgica da Santa Casa, com os profissionais do próprio hospital que receberão por procedimento.

A realização do mutirão foi viabilizada pela portaria nº 1.294, do Ministério da Saúde que define a estratégia de ampliação do acesso aos procedimentos cirúrgicos no âmbito do SUS para o exercício de 2017. A portaria é de 25 de maio deste ano e a partir dela foram destinados R$ 54,2 milhões de recursos para cirurgias no Estado de São Paulo. Por meio do DRS-16, Sorocaba foi contemplada com R$ 1.139.772,89 para atendimento da cidade e da região e fez a adesão ao programa selecionando os procedimentos que podem ser feitos na Santa Casa local.

Uma outra conquista, citada por Watanabe, dessa vez junto aos funcionários, é que a comissão gestora especial que administrou a Santa Casa durante a requisição feita pela Prefeitura de Sorocaba, unificou os salários-base dos funcionários do hospital.

A medida corrigiu uma situação irregular mantida pela administração privada que estava à frente da Santa Casa. A unificação garantiu os direitos de 89 funcionários que estavam contratados por valores abaixo do piso salarial que deve ser aplicado na instituição. Os trabalhadores beneficiados foram auxiliares de enfermagem, administrativos, de farmácia, técnicos de enfermagem, de suporte, serventes, entre outros. Ainda segundo ele, foi garantido aos funcionários o direito ao pagamento na data prevista, fornecimento de cestas básicas e o oferecimento de plano de saúde, que anteriormente haviam sido suspensos.

Cruzeiro do Sul

Iperó SP, Balão tripulado faz pouso forçado no quintal de uma casa

Balão tripulado faz pouso forçado em Iperó (Foto: Arquivo Pessoal)

O vídeo gravado por uma moradora, Srª Nueli de Paula Ferreira, mostra o momento em que um balão tripulado fez um pouso forçado no Jardim Novo Horizonte, em Iperó SP, neste domingo (31/7/17). Segundo a Polícia Militar, apesar do susto, não houve feridos.

Pelas imagens, é possível ver o momento em que o balão começa altitude e avança sobre os telhados. O balonista consegue pousar no quintal de uma casa e os moradores pulam o muro para tentar ajudar. Em seguida, o balão começa a pegar fogo.

O incêndio controlado rapidamente e o Corpo de Bombeiros não precisou ser acionado. O balonista e o casal que estava no cesto não ficaram feridos.

Por que uma igreja no centro de São Paulo resolveu hipnotizar pombos?

Igreja resolveu usar painel hipnotizador para pombos (Foto: BBC Brasil)

Ajoelhadas, 600 pessoas se concentram em oração em uma igreja no centro de São Paulo. Mas em um dos pontos altos da missa, logo após a Eucaristia, uma sequência de rasantes acompanhados de arrulhos próximos aos ouvidos dos fiéis desviam os olhares e interrompem sua paz.

Uma situação descrita por testemunhas como “um verdadeiro inferno”.

“Os pombos entravam aqui e faziam cocô em tudo. Ficavam voando na hora da missa. Eu xingava e até jogava bolinhas de papel para tentar espantá-los, mas eles faziam ninhos no alto e não saíam de jeito nenhum”, disse Janete Thies, que trabalha como secretária na paróquia Nossa Senhora da Consolação, uma das mais tradicionais do centro de São Paulo.

Com álcool e um paninho em mãos, Thies passava parte de seu dia limpando penas, pedras e fezes dos bancos da igreja fundada há mais de 200 anos.

Mas há um mês, os pombos passaram a evitar a igreja como o Diabo foge da cruz. A razão, diz a paróquia: a adoção de uma técnica de hipnose.

O feitiço é causado por um painel com cículos coloridos desenhados em forma de alvo, fixado em uma das entradas da igreja. Segundo a empresa responsável pela instalação, a imagem causa uma sensação de mal-estar e náuseas nos pombos, que passam a rejeitar o local.

“Os pombos ficavam procriando e faziam muito barulho na hora da missa. Mas o trabalho teve um sucesso de 100% e nunca mais nenhum pombo entrou na igreja”, disse o padre José Roberto Pereira, responsável pela paróquia.

“Antes, um casal voava de um lado para o outro na hora da missa. Quando pisava na poeira, no concreto ou no gesso, caía tudo nas pessoas. Por sorte, nunca aconteceu de se sujarem com fezes”, conta ele aliviado.

Paróquia não informou o custo total da intervenção contra os pássaros (Foto: Arquivo Pessoal)Paróquia não informou o custo total da intervenção contra os pássaros (Foto: Arquivo Pessoal)

Paróquia não informou o custo total da intervenção contra os pássaros (Foto: Arquivo Pessoal)

Mal-estar

O supervisor da empresa responsável pelos equipamentos disse que, desde a instalação do painel, sempre que os pombos tentam voar na direção da igreja, sentem sua visão embaralhar. Segundo ele, isso causa um mal-estar e faz com que as aves desviem a direção.

Ele afirmou que a técnica de hipnose foi desenvolvida por um biólogo da própria empresa, com base em um sistema semelhante implantado no exterior. “Nós fizemos muitos testes, adaptamos para o Brasil e deu certo”, contou Rodrigues.

Mas ornitólogos ouvidos pela BBC Brasil acreditam que seria praticamente um milagre caso uma imagem estampada numa placa conseguisse espantar pombos.

“Para que haja essa sensação de enjoo, a gente precisa pensar em algum mecanismo que afete o labirinto, na região do ouvido do animal. Uma imagem giratória poderia causar essa sensação de náusea. Mas mesmo se ela girasse, eu não imagino porque o animal ficaria olhando para ela até sentir náuseas”, disse Thiago Dantas, professor de ornitopatologia e clínica médica de animais silvestres na Universidade Anhanguera, em Niterói (RJ).

Mas a empresa garante que o painel funciona. Ela afirma que os animais até tentam voltar para o local uma ou duas vezes, mas a sensação é tão desagradável que não retornam mais.

O padre, que convivia com o incômodo causado pelos pombos desde que chegou à paróquia, há sete anos, disse que a igreja se preocupou em instalar um sistema antiaves que não maltratasse os animais. Mas confessa que chegou a pensar em medidas mais agressivas contra os pombos, símbolo da Santíssima Trindade na doutrina católica.

“Propuseram que a gente instalasse um aparelho sonoro. Mas pensamos que, caso passasse um cachorro na rua, eles também poderiam sofrer por terem um ouvido mais sensível que o nosso. E isso a gente não queria.”

G1 São Paulo