Arquivo da categoria: Ciência

Nessa páscoa pense duas vezes antes de dar chocolate para animais

Com a chegada do mês de abril, as prateleiras de supermercados ficam cheias de chocolate em razão da Páscoa, mas não podemos esquecer que dar chocolate para animais pode ser muito danoso para a saúde de nossos bichinhos de estimação.

Quanto mais escuro mais tóxico é o chocolate para animais , pois os chocolates amargos são os que possuem a maior concentração de metilxantina, a substância do doce que faz mal aos bichos, enquanto os chocolates brancos e ao leite, apesar de menos danosos ao pet, também devem ser evitados.

Nessa páscoa pense duas vezes antes de dar chocolate para animais

A metilxantina age no sistema nervoso central dos animais, podendo então provocar diarréias, vômitos, e  até mesmo convulsões, hemorragias intestinais, arritmias cardíacas, coma e a morte, em casos mais graves.

Se seu bichinho acabar comendo chocolate sem querer, o melhor é levá-lo imediatamente para o veterinário, para que seja administrado soro e ele fique sob observação. No caso de você não ver seu pet ingerindo o chocolate, fique atento a alguns sintomas que ele poderá apresentar, como ingerir mais água que o normal, salivação excessiva, diarréia, vômito, ou até mesmo sintomas mais graves como os citados acima.

O melhor para que seu pet consiga curtir a Páscoa feliz e tranquilo é que você compre pestiscos e alimentos feitos especialmente para animais, disponíveis em petshops. Agora você sempre pensará duas vezes antes de dar chocolate para animais!

Canal do Pet

 

Itália, Vulcão Etna entra em erupção

Vulcão Etna, na ilha italiana da Sicília, entrou em erupção e mostrou ontem, terça-feira (28/02/2017) espetaculares explosões incandescentes, emissões de cinzas e vazamento de lava. Não há riscos para moradores da região.

O Instituto Nacional de Geofísica e Vulcanologia da cidade siciliana de Catânia informou que desde as 18h (horário local, 14h de Brasília) de segunda-feira (27/02/2017), a atividade na cratera sudeste, iniciada no dia 23 de janeiro, se intensificou de forma gradual.

Os tremores vulcânicos alcançaram seus níveis mais elevados durante a última noite, quando o vulcão começou a expelir lava a centenas de metros de altura.

Também houve explosões de fogo e vazamento de magma, que desceu em direção ao pico Monte Frumento Supino, segundo o instituto de Catânia.

Os fenômenos se concentraram na zona superior do vulcão ativo mais alto da Europa, e não representam um perigo para a população, embora os moradores das localidades de Zafferana e Linguaglossa, situadas nas proximidades, tenham notado uma modesta chuva de cinzas.

As autoridades italianas acompanham com atenção a situação das estradas próximas. O aeroporto de Catânia segue operando normalmente.

O Etna tem 3.322 metros de altura e está situado na parte leste da ilha da Sicília, entre as províncias de Messina e Catânia.

Foco Notícias

Super Lua

destaque_superlua-14-11-2016

O tempo abriu depois de tanta chuva, na noite desta segunda-feira (14/11/16), foi possível observar o fenômeno da Super Lua, que está ainda maior e mais brilhante que uma lua cheia comum.

super-lua-maio-2012 Chamada de Super Lua, ela parece, aos olhos humanos, com um tamanho aumentado do disco lunar em razão de um fenômeno astronômico chamado perigeu, que é quando se atinge uma menor distância entre o centro da Lua e o centro da Terra, ou seja, quando o astro está mais próximo da superfície terrestre. A última vez que a lua ficou tão perto da Terra como ocorre nesta noite foi há 104 anos, em 4 de janeiro de 1912.

Assim como ocorreu em 1912, desta vez a distância entre o centro da Lua e o centro da Terra é de 356.509 quilômetros.

Soyuz MS-01, Russo, Japonês e Americana retornam à Terra após missão no espaço

O módulo de descida da nave russa Soyuz MS-01, com três tripulantes a bordo, aterrissou neste domingo (30/10/16) com sucesso nas estepes do Cazaquistão, informou o Centro de Controle de Voos Espaciais (CCVE) da Rússia.

Russian space agency rescue team helps U.S. astronaut Kate Rubins to get from the capsule shortly after the landing of the Russian Soyuz MS space capsule about 150 km (90 miles) southeast of the town of Dzhezkazgan, Kazakhstan, Sunday, Oct. 30, 2016. A So (Foto: Dmitry Lovetsky/Pool via AP)

Russos auxiliam a astronauta americana Kate Rubins a sair da cápsula da nave Soyuz       MS-01 após pouso (Foto: Dmitry Lovetsky/Pool via AP)

Na cápsula, retornaram à Terra o cosmonauta russo Anatoli Ivanishin, o japonês Takutya Onishi e a astronauta americana Kathleen Rubins, que ficaram em uma missão de quase quatro meses na Estação Espacial Internacional (ISS, na sigla em inglês).

Durante sua permanência na ISS os três realizaram cerca de 40 experimentos científicos.

A MS-01, a primeira nave do novo modelo Soyuz, pousou a cerca de 140 quilômetros a sudeste da cidade de Zhezkazgan.

“Os tripulantes estão bem”, afirmou um porta-voz do CCVE citado por veículos de imprensa russos.

A bordo da ISS permanecem os russos Sergei Rizhikov e Andrei Borisenko e o americano Shane Kimbrough, que chegaram à plataforma espacial no dia 21.

A Russian Soyuz MS space capsule carrying U.S. astronaut Kate Rubins, Russian cosmonaut Anatoly Ivanishin, and Japanese astronaut Takuya Onishi, descends about 150 km (90 miles) southeast of the Kazakh town of Dzhezkazgan, Kazakhstan, Sunday, Oct. 30, 201 (Foto: Dmitri Lovetsky/Pool via AP)

O cosmonauta russo Anatoli Ivanishin, seu colega japonês, Takuya Onishi, e a astronauta americana Kate Rubins retornaram à Terra neste domingo, após 115 dias de missão na Estação Espacial Internacional (ISS).

A nave russa Soyuz MS-01 pousou com sucesso nas estepes do Cazaquistão às 03H58 GMT (01H58 de Brasília).

“A aterrissagem foi concluída!”, declararam os controladores russos. A televisão da NASA informou que a nave tocou a terra na posição vertical.

Durante a missão orbital de mais de 100 dias na ISS, Robins, uma especialista em biologia molecular que aderiu ao programa espacial em 2009, sequenciou pela primeira vez DNA no espaço.

Tanto para ela quanto para Onishi, esta foi a primeira viagem para o espaço, enquanto que o comandante Ivanishin já havia realizado uma missão de cinco meses na ISS há cinco anos.

Imagens da NASA mostraram Robins sorrindo depois de ser a última a deixar o módulo espacial.

“Todo mundo está se sentindo ótimo”, disse Ivanishin em declarações traduzidas do russo.

Os três astronautas serão levados para a cidade cazaque de Karaganda, de onde Ivanishin irá para a Cidade das Estrelas, perto de Moscou, onde irá se concentrar no trabalho pós-missão. Enquanto isso, Rubins e Onishi serão levados para Houston.

O retorno do trio à Terra marca a primeira missão completa para a nova geração de naves espaciais Soyuz.

A viagem precisou ser atrasada em duas semanas porque a Rússia precisou realizar testes adicionais.

A participação de Rubins na missão gerou enorme entusiasmo e expectativa após o anúncio de seus planos de analisar o comportamento do DNA no espaço.

Em agosto, Rubins conseguiu sequenciar com sucesso o material genético de um rato, de um vírus e de uma bactéria, usando um dispositivo batizado de Minion, obtendo os mesmos resultados que em testes realizados na Terra.

A NASA indicou que esta investigação sobre o sequenciamento biomolecular poderia ajudar a identificar os micróbios potencialmente perigosos na ISS e a diagnosticar doenças no espaço.

Rubins é a primeira mulher a bordo da ISS desde que a italiana Samantha Cristoforetti retornou à Terra depois de completar uma missão de 199 dias em junho passado, um recorde feminino.

Sua compatriota Peggy Whitson, de 56 anos, vai seguir o exemplo em 17 de novembro, em uma missão que também incluirá o astronauta francês Thomas Pesquet e o cosmonauta russo Oleg Novitskiy.

Dezesseis países participam na ISS, um centro de pesquisa colocado em órbita em 1998, que custou 100 bilhões de dólares e que é financiado em grande parte pela Rússia e os Estados Unidos.

As viagens espaciais são uma das poucas áreas de cooperação internacional entre os Estados Unidos e Rússia que não foram prejudicadas pelo conflito na Ucrânia.

G1 Ciência